[contact-form-7 id="78" title="Schedule a Visit"]

Schedule a Visit

Nulla vehicula fermentum nulla, a lobortis nisl vestibulum vel. Phasellus eget velit at.

Call us:
1-800-123-4567

Send an email:
monica.wayne@example.com

Transtornos Psicóticos
·

Transtornos Psicóticos

São psicopatologias graves em que as pessoas perdem o contato com a realidade. Dois dos principais sintomas são os delírios e as alucinações. Os delírios são crenças falsas, como a ideia de que alguém está seguindo. Alucinações são percepções falsas, tais como ouvir, ver ou sentir algo que não existe.
Ao contrário dos delírios, que são equívocos da realidade sobre algo existente ou um objeto, ou seja, uma distorção de um estímulo externo, as alucinações são totalmente inventadas pela mente e não são produto da distorção de nenhum objeto presente, percebe-se algo sem levar em conta os estímulos externos. Por exemplo, ouvir vozes que saem de um plugue.
Os distúrbios psicóticos mais comuns são:
Transtorno Delirante
O Transtorno delirante ou paranóia é um transtorno psicótico caracterizado por uma ou várias ideias delirantes. Onde essas pessoas estão totalmente convencidas de coisas que não são verdadeiras. Por exemplo, que alguém lhes persegue para prejudicá-los.
Esquizofrenia
A esquizofrenia é outro transtorno psicótico, mas neste caso, a pessoa sofre alucinações e pensamentos perturbantes que a isolam de atividades sociais. A esquizofrenia é uma doença muito grave, mas há tratamentos bastante eficazes para que esses pacientes possam desfrutar sua vida da melhor forma possível.
 
Fonte: Adaptado de Taiz de Souza, disponível em: http://www.psiconlinews.com/2016/01/os-16-transtornos-mentais-mais-comuns.html

Categorias: Psicanálise

Dr. Gleubert Coliath

Dr. Gleubert Coliath

Psicanalista clínico que professa a fé cristã; seu trabalho fundamenta-se nos padrões éticos, metodológicos e científicos que a profissão exige. Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pesquisador nas áreas de antropologia, estudos da complexidade e ciências sociais.

Deixe uma resposta