[contact-form-7 id="78" title="Schedule a Visit"]

Schedule a Visit

Nulla vehicula fermentum nulla, a lobortis nisl vestibulum vel. Phasellus eget velit at.

Call us:
1-800-123-4567

Send an email:
monica.wayne@example.com

Comunicação de Casais
·

Comunicação de Casais

Esse texto refere-se ao universo de significados cristãos.
Com relação ao casal, devemos lembrar que as mulheres são diferentes dos homens, não apenas física e emocionalmente, mas também psiquicamente. Exemplo:
O marido diz: O que foi que eu fiz?
A esposa pensa: Ele devia saber o que fez, mas é muito insensível.
A esposa quer ouvir: Meu bem, eu devia saber o que eu fiz, mas não sei. Diga-me o que é para que eu não faça de novo.
Pense antes de falar! Existem formas saudáveis de nos expressarmos.
Ao invés de dizer:
Você está me acusando de….
Diga:
Eu estou me sentindo acusado.
Você só se interessa por….
Diga: Me parece que você tem mais interesse em____do que em_____.É assim?
Você tem que mudar….
Diga: Esta situação está me preocupando. Você tem idéia de como nós podemos resolver isto?
O que você está dizendo é que…
Diga: Você me corrige se estou errado. O que eu estou ouvindo é que…..
Todos os casais passam por fases conflituosas, fazem parte das relações humanas, porém há formas de resolver estes conflitos de maneira saudável.
Princípios para resolver os conflitos.
• Não evite o conflito usando o tratamento do silêncio. O silencio é usado como arma para controlar, frustrar, ou manipular seus cônjuges. Ou às vezes o marido ou a esposa escolhe o silêncio por lhe parecer menos doloroso. Talvez um dos cônjuges esteja silencioso agora porque no passado o outro não tenha sido um bom ouvinte. Também há a possibilidade de que uma profunda mágoa esteja mantendo silencioso um dos cônjuges. Se for criado um clima de aceitação e não ameaçador, o cônjuge silencioso muito provavelmente voltará a falar e a comunicação poderá ser restabelecida.
• Não ignore o seu cônjuge, não feche a cara. Fingir que a pessoa não existe é uma maneira imatura resolver os conflitos conjugais.
• Não acumule irritação para usá-la mais adiante. O pior método para lidar com sentimentos de irritação ou frustração é negar sua existência e refreá-los. Os sentimentos devem ser expressados. Não se deve permitir que eles se acumulem.
Algumas pessoas tratam suas emoções como se fossem cupons de desconto. Guardam toda pequena irritação como se fossem um cupom. Acumulam muitos deles e, por fim, quando alguma coisa acontece, que é a última gota d´água , explodem e cobram todas as irritações e frustrações guardadas.
• Tomem cuidado com o local/ hora/lugar da discussão. Ninguém quer ser exposto em lugares públicos, na frente de amigos e parentes. Existe um velho ditado que diz “roupa suja se lava em casa”, lembre-se o auto-controle é essencial para se resolver algum conflito.
• Fiquem de olho no volume da voz- Quando um dos cônjuges levanta a voz está expondo o outro a uma situação constrangedora. Lembrem-se seus vizinhos não precisam e não devem saber do que se passa na vida dos dois. Não é nada agradável ficarem conhecidos na vizinhança como o casal do casamento que vai mal. Acabam virando alvos de fofoca e comentários maldosos.
• Ataquem os problemas e não um ao outro. Lembre-se que podemos discordar de idéias, sem rejeitar as pessoas que tem idéias.
• Não critique um ao outro, e nem os familiares do seu cônjuge, isentando-se de resolver o problema.
• Lembre-se de esquecer. Evite frases como: “Eu me lembro quando….”
• Junte soluções às críticas- Ao criticar seu cônjuge, você consegue oferecer uma solução definida ao mesmo tempo?
• Jamais diga: “Você nunca” ou “Você sempre”. Cuidado com a generalização.
• Seja humilde. Você poderá estar errado(a). Se você estiver errado(a), admita e peça perdão. Se o outro cônjuge reconhecer o erro, não deixe de dizer que perdoa.
Existem três frases que costumam salvar um casamento:
EU ESTAVA ERRADO(A), VOCÊ ME PERDOA?, EU AMO VOCÊ!

Fonte: WRIGHT, Norman H. Comunicação: A Chave Para seu Casamento. 3. ed. São Paulo: Associação Religiosa Editora Mundo Cristão, 1990.

Categorias: Terapia de Casal

Andreia Coliath

Andreia Coliath

Sou Psicóloga Clinica ( CRP 06/67143) e palestrante, atendo em Clínica particular crianças, adultos e casais desde 2001. Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

7 Comentários

Deixe uma resposta para Roberto Santos Cancelar resposta